mg acordo puc sala 2 slideBrasília – Prestar acolhimento, atendimento e orientação jurídica à população atingida pelo desastre humano, ecológico, social, cultural e econômico decorrente do rompimento das barragens na Mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG). Com esse objetivo, a Defensoria Pública da União (DPU) e a Mitra Arquidiocesana de Belo Horizonte (MG), com a interveniência da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas), celebraram Acordo de Cooperação Técnica, nessa quinta-feira (7).

Para o atendimento à população, a partir de segunda-feira (11), a PUC Minas disponibilizou sala em prédio localizado à Praça Paulo Alves Moreira, 57, no centro de Brumadinho. O termo também prevê a criação de rede colaborativa de acessibilidade, inclusão e defesa de direitos humanos pelas instituições participantes e prestação de assistência jurídica integral e gratuita pela DPU no local.

A cooperação consistirá em várias ações: intercâmbio de experiências, informações, pesquisas, tecnologias e soluções; desenvolvimento de soluções técnicas, visando ao aprimoramento dos processos de trabalho; reuniões e grupos de trabalho para o desenvolvimento de atividades; difusão de boas práticas de ações de inclusão, de acessibilidade e de direitos humanos, entre outras.

Assinam o documento o defensor público-geral federal, Gabriel Faria Oliveira, o arcebispo metropolitano de Belo Horizonte, Dom Walmor Oliveira de Azevedo, e o reitor e bispo-auxiliar da Arquidiocese, professor Dom Joaquim Giovanni Mol Guimarães. Também participaram da elaboração do termo de acordo o defensor público-chefe da DPU em Minas Gerais, Diego de Oliveira Silva e o defensor público federal Vinícius Diniz Monteiro de Barros, que atua na DPU em Belo Horizonte.

Leia também
DPU, Arquidiocese e instituições se reúnem em MG para tratar de Brumadinho
Defensoria Pública da União inaugura núcleo de atendimento em Brumadinho

Assessoria de Comunicação Social
Defensoria Pública da União